FIBROMIALGIA TEM TRATAMENTO

fibromialgia

Apesar de alguns profissionais desconhecerem, existe sim um tratamento para o quadro de Fibromialgia. Entretanto, não há tratamentos milagrosos e mágicos.

As mudanças de hábitos, a prática de atividade física regular e o controle do estresse são fundamentais no sucesso terapêutico.
Os objetivos principais do tratamento são :
 – controle da dor
 – melhora do sono
 – melhora da fadiga
 – melhora do humor


Antes de prosseguir, sugiro a leitura do texto: Será que eu tenho fibromialgia?  Será que eu tenho fibromialgia?

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO PARA FIBROMIALGIA

As medicações escolhidas para auxiliar no tratamento da dor generalizada da Fibromialgia variam de paciente para paciente. Em muitas situações, há a necessidade de associação. Idade, genética, comorbidades associadas, fatores ambientais, efeitos colaterais, polissensibilidade química são fatores que influenciam na escolha de determinada medicação.

Existem determinados antidepressivos que possuem uma ação neuromoduladora e auxiliam no tratamento da dor crônica da Fibromialgia.

Os antidepressivos tricíclicos (Amitriptilina, nortriptilina, entre outros) promovem o relaxamento muscular, aumentam a tolerância a dor, melhoram a qualidade do sono. Os efeitos colaterais são individuais, mas é comum o quadro de boca seca, sonolência e constipação. O relaxante muscular de ação central (ciclobenzaprina) também pode ser usado, com efeitos semelhante a amitriptilina.

Os antidepressivo inibidores de recaptação de serotonina (fluoxetina e paroxetina, entre outros) podem  promover uma melhora nos distúrbios de ansiedade. Os efeitos colaterais podem levar a diminuição do apetite, boca seca e insônia.

Os neurolépticos fenotiazínicos (clorpromazina) podem ser associados aos antidepressivos, com importante efeito no sistema límbico (emoções), efeito ansiolítico e relaxante muscular quando usado em associação. Alguns pacientes podem referir  boca amarga, cefaleia, náuseas, movimentos involuntários.

Os anticonvulsivantes também podem ser usados como neuromoduladores (aumentando a tolerância a dor) e em quadros específicos de dor.

Os indutores do sono (Zolpidem) podem ser usados em alguns casos específicos para melhora) do padrão de sono e no desmame dos benzodiazepínicos (rivotril, diazepam, entre outros). Este medicamento possui a vantagem de não induzir a dependência, proporcionar uma melhor qualidade de sono ( mais profundo) e devido a ação curta, não apresenta sonolência durante o dia.

Os analgésicos (dipirona e paracetamol) podem ser usados em alguns casos com intuito de controle da dor. Com poucos efeitos colaterais.

Já os anti-inflamatórios (diclofenaco, meloxicam, celebra, etc) não devem ser usados de modo contínuo no quadro de dor crônica. Entretanto, em situações de dor aguda (secundárias a traumas, esforço físico e posturas inadequadas) podem produzir uma indicação precisa nestes casos. Os corticoides podem ser utilizados em casos específicos (crise de Artrite Reumatóide, Polimialgia reumática), mas não de rotina devido aos efeitos adversos.

Os analgésicos opióides podem ser usados para analgesia nos casos de forte intensidade ou então casos em que a analgesia deve ser otimizada para a realização dos exercícios terapêuticos. Há uma preferência pelo tramadol devido a uma ação também neuromoduladora.

Outros medicamentos também podem ser prescritos, inclusive com o objetivo de controle das comorbidades prévias (diabetes, deficiência de vitaminas, entre outros).

TRATAMENTO NÃO MEDICAMENTOSO


O  segredo do sucesso no tratamento do paciente com Fibromialgia é o exercício. Como bem enfatiza o reumatologista Dr Eduardo Paiva : ” Exercício: o grande remédio, mas difícil de tomar …”
http://www.fibromialgia.com.br/novosite/index.php?modulo=pacientes_outros_editais&id_mat=11

Na cidade de São Paulo, há programas na Rede de Reabilitação Lucy Montoro, nos quais o paciente aprende muito sobre a Fibromialgia, técnicas para minimizar a dor, condicionamento físico solo e em hidroterapia somadas às terapias de psicologia, nutrição, enfermagem, terapia ocupacional, fisioterapia.

Como enfatiza um depoimento  da rede: http://edm.org.br/redelucymontoro/index.php/slider-2/
” Saí de lá uma outra pessoa, sem contar a fisiatra que nos acompanhou, a Dra Thais Saron… Ela e sua equipe fazem a diferença”.

 



A equipe multiprofissional, coordenada por um médico de reabilitação (Fisiatra), busca uma melhora funcional do paciente com dor generalizada. Com ênfase  em :

– exercícios de alongamento, para a melhora da flexibilidade. Estes exercícios devem ser aprendidos e continuados após a reabilitação juntamente com o condicionamento físico para a manutenção do equilibro muscular.



– condicionamento físico, através de exercícios aeróbicos sem carga e sem impacto. Promovendo uma melhora da capacidade cardiovascular e melhor condicionamento muscular.

– fortalecimento muscular e melhora da postura. A má postura leva a encurtamentos musculares que desencadeiam dor.

– conscientização corporal. A correção postural, a melhora da consciência corporal  e técnicas de auto-massagem nestes pacientes diminuem a intensidade e a frequência das dores.















– orientação quanto ergonomia e proteção articular.



– estabilização do humor, abordado por psicoterapia (terapia cognitivo comportamental) e técnicas de relaxamento, meditação e hipnose.


– orientações nutricionais para controle do peso e educação intestinal.

Lembre-se: Mudar é preciso! Mudar o jeito de reagir aos problemas, mudar a posição de deitar, mudar a alimentação,  mudar os velhos hábitos, enfim, mudar.

Aprenda a controlar a dor crônica: DOR CRÔNICA, COMO CONTROLAR

A fibromialgia tem tratamento!


Recursos no Tratamento
da pessoa com dor

Quer ficar por dentro das novidades do canal Dor Tem Tratamento inscreva-se!! 

Conquiste bem estar e qualidade de vida: Dor tem Tratamento!!!
Converse sobre as suas dúvidas com um médico especializado em reabilitação (Fisiatria). Entenda melhor como é a reabilitação da dor pelo médico Fisiatra aqui

cropped-capa-blog.jpg
Médica Fisiatra – Dor e Reabilitação
Procedimentos Minimamente Invasivos em Medicina da Dor

Para mais informações ou agendamento de sessões terapêuticas com a Dra Maike Heerdt entre em Contato

Deixe uma resposta

  1. Ola Dr. a.
    Tomei 75 miligramas de pregabalina por 15 dias e agora faz 20 dias que dobrei a medicação para 150 miligramas.
    Não estou obtendo resultado.
    Estou fazendo caminhada todos os dias e pilates 3 veses por semana, mas ainda sinto fores fortes nas costas e juntas.
    O que posso fazer para melhorar o quadro com mais rapidez?
    Grato.
    Att : Marcos Vinicius

    • Boa Noite Marcos
      Fibromialgia é um quadro de dores generalizadas, potencialmente incapacitante. A fibromialgia pode ser primária (quando se exclui todos os diagnósticos possíveis) ou pode ser secundária a outras doenças de base ( como diabetes, neuropatia de fibra única, estados virais, doenças mitocondriais, alterações hormonais e metabolicas, doenças do colagenos, artropatias soronegativas, doenças inflamatórias intestinais, entre outros. Um sinal de alerta para aprofundar a investigação são as dores articulares e sexo masculino.
      Para uma melhora mais rápida, sugiro a investigação aprofundada de todos os componentes e fatores que podem piorar ou desencadear a piora do quadro.
      Após um diagnóstico mais preciso, o tratamento torna-se mais assertivo e os meus pacientes com fibromialgia também melhoram. Cada vez que retornam, estão conquistando mais qualidade de vida e plenitude.
      Agradeço por ter coragem e colocar a sua evolução e resposta com a pregabalina aqui.
      Atenciosamente, Dra Maike Heerdt