11.3729.6267

11.9.8689.8651 kurt@dortemtratamento.com.br

«

»

ago 12

DOR E DEPRESÃO – Toxina Botulínica

Alguém já lhe perguntou se estava com dor, sem você mencionar?

 

dor de cabeça

Muitos médicos e especialistas em desenvolvimento humano enfatizam veementemente como os pensamentos podem influenciar você, suas palavras, emoções e ações. Mas o contrário também pode ser verdadeiro: nossas ações e expressões podem influenciar nossos pensamentos.
Na semana passada, você leu como a expressão corporal influencia na nossa auto-confiança, sensação de energia e ânimo.

Reveja no post Dor e Depressão: qual a relação com a postura (DOR E DEPRESSÃO: Qual a relação com a postura?)

Mas este assunto só ficaria completo após você entender como a expressão facial influencia no humor.

Como você demonstra a emoções de raiva, tristeza, sem palavras?

faces

Uma pesquisa, coordenado por Clarice Gorenstein e vinculada à Universidade de São Paulo (USP), investigou a expressão não verbal da depressão: “Indicadores de expressividade e processamento emocional na depressão”

A comunicação não verbal é exatamente o que a pessoa não fala mas expressa. È definida por um amplo conjunto de paramentos. A pesquisa entrevistou e filmou por 15 minutos 100 pessoas já diagnosticadas com depressão e 83 pessoas saudáveis (grupo controle).

Observou-se uma diferença estatisticamente significativa no comportamento dos dois grupos. O grupo controle apresentou número de sorrisos e contato ocular superior ao grupo de pessoas deprimidas. No entanto, os escores de choro e cabeça curvada para baixo foi superior no grupo de pessoas deprimidas.

Comportamentos Observados:

 

Comportamentos sugestivos de interesse social e afetos positivos Comportamentos sugestivos de desinteresse social, isolamento, afetos negativos
Corpo para frente (na direção do entrevistador) Ombro baixo/encolhido
Cabeça inclinada para a lateral Cabeça curvada para baixo
Cabeça inclinada para cima Braço cruzado
Movimento afirmativo de cabeça (Fazer “sim” com a cabeça) Movimento negativo de cabeça (Fazer “não” com a cabeça)
Gestos ilustradores – movimentos com as mãos para ilustrar o que é dito Gestos adaptadores – Movimentos com as mãos de automanipulação ou manipulação de objetos, sem função clara.
Contato ocular com o entrevistador Boca curvada para baixo
Verbal-backchannel – vocalizações de interesse e concordância mediante a fala do entrevistador (ex.”hum – hum”) Boca apertada/achatada
Sorriso simétrico, considerado associado a emoções positivas genuínas Sorriso com a boca “torta” (assimétrico), considerado ambivalente, associado a emoções também negativas, como “estar sem graça”.
Rir/ dar gargalhada Chorar
Levantar sobrancelhas Franzir a testa
Falar Ficar em silêncio

 

Após esta avaliação, o grupo de pessoas deprimidas receberam um tratamento antidepressivo farmacológico. O tratamento fez aumentar a expressividade facial e do tom de voz, a inclinação do corpo na direção do entrevistador e outros parâmetros de interesse social e afetos positivos.

 

aliviar a dor

 

Lembra daquela vez que você estava super chateado com um incidente ocorrido na escola e assim que você colocou o pé na porta a sua mãe já veio apreensiva e perguntando: “ O que aconteceu? “ Você tentou disfarçar e disse: “Nada”. Provavelmente ainda com os olhos cabisbaixos e sem muito entusiasmo.

Já está bem comprovado que o nosso estado de humor altera nossa expressão. Mas a nossa expressão facial também influencia o nosso estado de humor e ânimo.
Quem nunca ouviu da técnica de ficar forçando um sorriso todas as manhãs?

 

não ficar triste

Por isso que cresce os artigos que investigam o efeito da toxina botulínica na depressão.

Num estudo liderado por Norman Rosenthal, professor de psiquiatria da Georgetown Medical School, 74 pessoas com sintomas graves de depressão receberam injeções nos músculos da testa. Metade recebeu injeções de solução salina e a outra metade de toxina botulínica que causou um bloqueio neuromuscular dos músculos responsáveis pela face de preocupação, de sofrimento e desconforto, dor, pesar, tristeza e raiva (músculos da testa).

 

postura11

postura12

Após 6 semanas, 52% dos paciente que receberam a injeção de toxina botulínica mostraram redução dos sintomas depressivos. No entanto, isso ocorreu em apenas 15% no grupo de solução salina. Os pesquisadores apontam que o a aplicação de toxina botulínica produziu um relaxamento dos músculos abordados e o impediu de demonstrar tristeza e desânimo. Isso fez com que o cérebro não percebesse essas emoções.

FONTE: Treatment of depression with onabotulinumtoxinA: a randomized, double-blind, placebo controlled trial. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24345483

FONTE:Treating depression with botulinum toxin: a pooled analysis of randomized controlled trials.
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26252721

Fique atento às suas expressões e à sua postura! Às vezes temos alguns vícios e manias de fazer caretas e cara-feia, isso pode estar prejudicando o seu rendimento , a sua energia e ânimo.
Viva mais e melhor: Dor tem tratamento!

 

Viver+emelhor

 

 

Quer ficar por dentro das novidades do canal Dor Tem Tratamento inscreva-se!! 

Conquiste bem estar e qualidade de vida: Dor tem Tratamento!!!
Converse sobre as suas dúvidas com um médico especializado em reabilitação (Fisiatria). Entenda melhor como é a reabilitação da dor pelo médico Fisiatra aqui

cropped-capa-blog.jpg
Médica Fisiatra – Dor e Reabilitação
Procedimentos Minimamente Invasivos em Medicina da Dor

Para mais informações ou agendamento de sessões terapêuticas com a Dra Maike Heerdt entre em Contato

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma Medica Fisiatra apaixonada em buscar soluções para pessoas que sentem dor persistente, para alcançar uma vida mais plena e saudável. Entusiamada em difundir as inúmeras possibilidades de tratamento da dor e da neuromodulação numa abordagem da medicina integrativa. Atuação em reabilitação interdisciplinar da dor, bloqueios neuromusculares e procedimentos minimamente invasivos em dor. Formação em saúde: Graduada em Medicina pela Universidade Federal de Santa Catarina. Residência Médica em Medicina Física e Reabilitação pela Universidade de São Paulo. Pós- Graduada em Acupuntura e em Dor pelo Centro de Dor da HCFMUSP. Título de Especialista em Fisiatria pela Associação Médica Brasileira. Atuação em reabilitação interdisciplinar da dor, bloqueios neuromusculares e procedimentos minimamente invasivos em dor.

Deixe uma resposta